3.12.12

Escalador Morre no Pão de Açúcar

Fala galera!

Hoje não venho com boas notícias, como a maioria deve saber, neste último domingo (2) um escalador morreu fazendo ascensão do Pão de Açúcar pela via CEPI.

Após vistoria, federação constata que cabo de aço estava rompido. Bruno Mendes morreu após sofrer uma queda de cerca de 60 metros.

Vistoria seria nesta segunda, mas fiscais foram ao local domingo (02/12).

Após uma vistoria na via Ferrata, no Morro do Pão de Açúcar, a Federação de Montanhismo do Estado do Rio de Janeiro (FEMERJ) constatou que o cabo de aço que segurava o escalador Bruno da Silva Mendes, de 32 anos, que morreu durante uma escalada, estava rompido. A informação foi confirmada ao G1 na manhã desta segunda-feira (3) pelo presidente da FEMERJ, Delson Queiroz.



O presidente explicou que a vistoria estava marcada para esta segunda-feira. No entanto, segundo ele, os fiscais conseguiram acessar o local na noite de domingo. Bruno morreu após sofrer uma queda de cerca de 60 metros.

Outra escaladora que estava com ele, identificada como Andréia Pereira, de 40 anos, sofreu pequenas escoriações. Ela permanece internada no Hospital Miguel Couto, na Gávea, na Zona Sul. O quadro de saúde dela é estável.

Ainda segundo Delson, mesmo após a vistoria, os fiscais ainda vão verificar o que realmente causou a queda de Bruno. "Nosso objetivo é esse. Mesmo com o rompimento do cabo, ainda não entendemos como e o que ocasionou esta queda. Sabemos que Bruno seguia na frente da corda como guia da escalada e estava preso por uma corda a Andréia. Agora vamos aguardar", completou.

Compilado do jornal Globo.com

Queda teria sido provocada pelo rompimento de um dos cabos de aço do trecho final da via ferrata CEPI.

O escalador Bruno da Silva Mendes, de 32 anos, que morreu ao escalar o Pão de Açúcar neste domingo, caiu de uma altura de aproximados 70 metros no momento do acidente. A "hipótese" que a queda teria sido provocada pelo rompimento de um dos cabos de aço que fazem a segurança da via, estes fixados a rocha por grampos também de aço (Via Ferrata CEPI).

A informação foi dada pelos dois primeiros alpinistas que chegaram ao local, por volta das 15h30m. Bombeiros do Grupamento de Operações Aéreas (GOA), com apoio de militares do Humaitá, resgataram o homem por volta das 16h30m. Ele estava acompanhado de Andrea Pereira, de 40 anos, que também se feriu.

O oficial de Justiça Carlos Correia dos Anjos e o bombeiro da reserva Josivaldo de Jesus contaram que tinham terminado uma escalada, quando funcionários do Caminho Aéreo Pão de Açúcar que administra o local pediram ajuda, já que haviam constatado um acidente.

O cabo estava partido. O rapaz era quem guiava a escalada e caiu de uma altura de cerca de 70 metros, batendo várias vezes nas rochas. A menina também se machucou. Ela ficou presa pelas cordas, que queimaram suas mãos e a apertavam tanto, que, quando chegamos, ela estava sufocando contou Carlos Correia.

Os bombeiros levaram o rapaz de helicóptero e pousaram na Escola de Educação Física do Exército, dentro da Fortaleza de São João, na Urca, na Zona Sul do Rio. Segundo informações dos bombeiros, a vítima ainda estava viva e morreu ao dar entrada no Hospital Rocha Maia.

Segundo Correia, o caminho escolhido pelos escaladores não apresenta alto grau de dificuldade. Eles subiram pela via conhecida como Via dos Italianos (5º VI E2 125m) e estavam na Via Ferrata CEPI no momento do acidente (C D1), a aproximadamente 20 metros do cume.

A "hipótese" é que Bruno saiu da via Italianos e seguiu para a via ferrata CEPI, optando usar esta rota para atingir o cume do Pão de Açucar, como estava sem a segurança do participante ao seguir pelos cabos de aço, um dos trechos se rompeu e o escalador entrou em queda até a corda esticar parando próximo à grutinha do CEPI. Ainda não se tem certeza do rompimento do cabo e se esta é a verdadeira historia, só uma investigação pela FEMERJ pode comprovar ou mudar a versão atual do ocorrido.

Para quem não conhece a via, consulte o site da companhiadaescalada.com.br (CEPI/CROQUI)

O presidente da Federação de Montanhismo do estado, Delson Queiroz, disse que o acidente ocorreu em um dos trechos mais populares de escalada do Pão de Açúcar. Ele acrescentou que uma equipe da entidade vai vistoriar o local na segunda-feira para confirmar se houve ou não o rompimento do cabo. De acordo com Delson, a responsabilidade pela manutenção dos equipamentos de segurança cabe aos clubes de montanhismo que primeiro ''conquistaram o local''. No caso dessa via, o clube não existe mais, e a manutenção é comunitária.

Os cabos eram relativamente novos. A última manutenção foi feita há cerca de quatro anos disse.

O tenente do Corpo de Bombeiros, Thiago Henrique Germano da Silva, que participou do socorro às vítimas, contou que, quando os bombeiros chegaram ao local, o rapaz já estava desacordado.

O estado dele aparentava estar muito grave, ele sofreu múltiplas lesões. A mulher que estava com a vítima está bem, ela sofreu apenas algumas escoriações conta Silva.

O tenente disse ainda que não chegou a observar se houve ou não o rompimento do cabo porque a prioridade era fazer o resgate das vítimas.

Andrea desceu do bondinho por volta de 18h30m e foi levada por uma ambulância do Corpo de Bombeiros para o Hospital Miguel Couto, na Gávea.

A assessoria de imprensa do Caminho Aéreo Pão de Açúcar afirmou que só se responsabiliza pelo complexo turístico e não pela manutenção das vias.

Durante o regate, o helicóptero deixou um médico com o alpinista no morro para os primeiros-socorros, enquanto retornava para Copacabana para resgatar duas jovens que se afogavam na praia. Depois, a aeronave retornou ao Pão de Açúcar. Segundo os bombeiros, as banhistas passam bem.

Fica aqui nossas orações a família e que tudo logo fique em paz.
Força sempre, pé na estrada e boas escaladas!
Atila Barros

Fonte: Rocha e Gelo

Abraços, e boas escaladas!