27.8.13

Fontainebleau - França


Fala galera!

Com a última matéria sobre Tulsa, me animei para escrever sobre alguns points de escalada que acho que devem ser visitados!

http://www.montanha.bio.br/Fontenoblue/Atila_Barros_Fontenoblue_32.JPG

O point de hoje é Fontainebleau na França, e para essa matéria peguei o relato de Atila Barros sobre sua ida a este lugar maravilhoso, um verdadeiro paraíso!


Pano de fundo de inúmeros vídeos de escalada que se espalham pela internet, esta cidade ao sul de paris guarda em suas florestas verdadeiras obras de arte quando falamos da modalidade Boulder. Por quatro dias estive nesta cidade com meu parceiro de trip Alexandre Trindade e pude comprovar toda beleza e potencial esportivo de Fontainebleau.

Falando um pouco de sua historia, a cidade de Fontainebleau cresceu ao redor do que restava da Floresta de Fontainebleau, um antigo parque de caça real e onde se localizam os venerados blocos.

A história de Fontainebleau vem desde o século 12, e a origem do nome tem origem na expressão fontaine belle eau - fonte da bela água. Ao que consta, devido às propriedades das águas de uma nascente que existia ali, São Luiz teria ordenado a construção de um mosteiro naquele local. Entre 1380 e 1422 Charles VI, acrescentou novas fortificações ao já existente, fazendo com que ele se tornasse uma importante fortaleza, com quatro torres.

François I, o monarca construtor de Chambord, também se impressionou muito com o local, e, em 1527, ordenou que fossem demolidas as estruturas mais pesadas e antigas, para que fossem construídas outras mais elaboradas, a altura da corte, e seguindo o padrão do modelo renascentista.


Embora no início ele pretendesse manter os prédios originais, à medida que a obra caminhava, eles foram sendo demolidos, para permitir a construção de novos aposentos, galerias, jardins e lagos. Em pouco tempo Fontainebleau já tinha o aspecto de residência real, com vários prédios, jardins, e muitas alas interligadas. Sua grandeza e luxo havia se tornado conhecido em toda Europa.

Durante a revolução francesa, grande parte das obras de arte foi removida, mas o palácio propriamente dito foi preservado. Alguns anos mais tarde, seria a vez de Napoleão se apaixonar por Fontainebleau, a tal ponto que decidiu tomar posse dele, e voltou a transformá-lo numa residência luxuosa. Sua ligação com o palácio foi tão intensa, que até hoje Fontainebleau é lembrado principalmente como o palácio onde, durante muitos anos, morou o famoso general e imperador Francês.

Um dos pontos diferentes neste palácio é sua arquitetura. Ao contrário de tantos outros, aqui aparentemente não foi seguida nenhuma geometria ou lógica na construção do conjunto de prédios que formam a propriedade. Vendo o conjunto de cima, tem-se a impressão que eles foram sendo ligado um ao outro sem qualquer planejamento. No entanto, esta assimetria, dos prédios, somada aos seus elaborados parques e jardins, tornou-se justamente uma das marcas registradas da genialidade de Fontainebleau.

Para quem gosta de escaladas fortes, lances que precisam ser malhados com exaustão e tranqüilidade para concentração, Fontainebleau é tudo que todo maníaco por boulder espera de um point de escalada. Com esta idéia fixa em mente, a vontade de escalar neste lugar não diminui nem mesmo com a chuva que nos recebeu a cidade. Assim que esta deu uma trégua, passei a mão na sapatilha e entrei no bosque.

Com blocos para todos os níveis de escaladores, as florestas guardam verdadeiros desafios, força, técnica e paciência são chaves para se escalar por lá. Até mesmo nos dias mais úmidos é possível escalar em blocos que formam negativos mantendo as vias secas. Em um lugar como este, não da para ficar sem escalar.

A melhor opção para se localizar nos setores são os guias de escalada de Fontainebleau, mas uma passada no climb-europe/França vai ajudar muito. Pelo site já da para se localizar um pouco e entender melhor como funciona as escaladas na região.


A leitura dos mapas não são tão simples, visto que alguns dos grupos de blocos não estão tão perto da cidade. Da um pouco de trabalho quando se é de fora, ainda mais sem um escalador local que conheça bem a floresta e seus setores. Recomendo quase que indispensável o uso do GPS, já que o guia fornece às coordenadas dos blocos. Fica mais fácil saber o grau do bloco que esta entrando e o setor, digo isto porque varias vezes entrei em blocos que não sabia localizar no guia.

O acesso aos setores são bem sinalizados (Quando se sabe onde estão os blocos..rs), as trilhas são bem demarcadas e as estradas asfaltadas para caminhastes e ciclistas ajudam muito na localização e movimentação dentro dos bosques.

São tantas opções que em poucos metros de caminhada pela floresta já aparecem blocos marcados de magnésio, dai para frente é jogar o crash no chão e começar a tijolar o braço.

As florestas de Fontainebleau são freqüentadas não só por escaladores; caminhantes, ornitólogos ou simplesmente visitantes buscam nos bosques a tranqüilidade e um pouco de ar puro. Por varias vezes cruzei com grupos de crianças e seus professores, pessoas fazendo picnic e casais de idosos simplesmente observando os blocos e curtindo o bosque.

Tudo que você viu, leu ou ouviu alguém dizer sobre Fontainebleau é verdade, o lugar é mágico e o potencial dos blocos é fantástico.

A luz do sol atravessando os galhos das arvores e o som dos corvos que parecem falar com você dão um clima cinematográfico nos momentos de concentração quando escalando os blocos. A cidade é apaixonante, a cerveja é boa e as escaladas perfeitas, não da vontade de ir embora.


Deixei a cidade debaixo de uma chuva fina, esta que me acompanhou todos os dias em que estive na França. Levei na mochila a vontade de ter escalado mais. Este é um lugar para passar mais tempo, se dedicar mais aos blocos e explorar melhor seu potencial. Fontainebleau esta em minha lista de “devo voltar”.

Força sempre e boas escaladas.
Atila Barros

Fontainebleau fica apenas 65 km ao sul de Paris. É só seguir pela estrada A6 ou N7. Também há diversos trens diários ligando as duas cidades saindo da estação Gare de Lyon.

Por hoje é isso aí galera!
Abraços e boas escaladas!